Monday, April 10, 2006

[Pars plana vitrectomy for idiopathic vitreous floaters]

Klin Monatsbl Augenheilkd. 2005 Sep;222(9):728-32
.[Pars plana vitrectomy for idiopathic vitreous floaters]
[Article in German]

Roth M, Trittibach P, Koerner F, Sarra G.Klinik und Poliklinik fur Augenheilkunde, Inselspital, Universitatsspital Bern, Schweiz.BACKGROUND: The aim of this study was to evaluate the role of pars plana vitrectomy (PPV) in patients with persistent vitreous floaters (VF) in phakic (56.7 %) or pseudophakic (43.3 %) eyes. SUBJECTS AND METHODS: A retrospective study of 24 consecutive patients (30 eyes) who underwent a 2-port-PPV using indirect opthalmoscopy between 1992 and 2003 was carried out. Main outcome measures were postoperative visual acuity (PVA), incidence of postoperative complications and patient satisfaction, which has been assessed retrospectively using a detailed questionnaire. RESULTS: Symptoms resolved in all patients. PVA was significantly better (0.91 +/- 0.2 vs. 0.84 +/- 0.2 preoperative visual acuity) or equal in 25 patients (83.3 %). One pseudophakic patient (3.3 %) experienced a retinal detachment 48 months after surgery. In 5 of 17 phakic eyes (35 %) a cataract extraction had to be performed during the follow-up period. All patients were satisfied with their overall visual function. DISCUSSION: This study shows PPV to be a safe and effective primary treatment for visually disturbing VF. In spite of the small number of cases with a lower PVA (5 eyes/16.7 %), which in the most severe case corresponded to a reduction of VA from 1.0 to 0.6 due to a nuclear sclerosis of the lens, all patients were satisfied. As vitreoretinal complications may occur, a critical patient selection and a careful preoperative assessment of specific risks of vitrectomy are mandatory.

Publication Types: Clinical Trial

Monday, January 16, 2006

polifenóis da uva podem prevenir a degeneração do vítreo?

Artgo italiano publicado em 1999 :

Clin Ter. 1999 Jul-Aug;150(4):275-8.

[Leukocyanidines and collagenases: in vitro enzyme inhibition activity]

[Article in Italian]


Barracchini A, Franceschini N, Filippello M, Pantaleoni P, Di Giulio A, Amicosante G, Pantaleoni G.Facolta di Medicina e Chirurgia, Universita degli Studi di L'Aquila, Italia.

OBJECTIVE: The matrix metalloproteinases (MMPs) play a key role in the extracellular matrix turnover. This protein family has been involved in some ocular pathologies such as glaucoma, diabetic retinopathy, macular degeneration, vitreous degeneration and corneal stroma ulceration cleaving all the matrix components. In the present study we evaluated the action of leucocyanidin from Vitis vinifera seeds as non toxic inhibitor of these proteinases. MATERIALS AND METHODS: To this purpose we used a fluorimetric method to evaluate the effect of this substance on the collagenase activity. We evaluated "in vitro" the inhibitory potency of the tested drug on type III collagenase activity, and the recover of the metalloprotease activity upon removal by dialysis of the inhibitor. RESULTS: The leucocyanidines extract (minimum procyanidines value of 95.0) resulted to be a good collagenase activity inhibitor showing an inhibition constant value, Ki, of 82 microM, evident index of affinity between the extract and the enzyme. Furthermore, the dialysis experiments demonstrated that the inhibitory effect persisted 24 h later, probably because the extract forms a stable complex with the enzyme. CONCLUSIONS: These results should be related to the pharmacokinetic profile of leucoanthocyanins, a family of natural polyphenols belonging to the class of bioflavonoids of grape seds extract (Vitis vinifera L.).

Monday, November 28, 2005

Grupos de discussão no ''Orkut''

Lasik, Cirurgias Laser, Miopiahttp://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=124212

Moscas Volanteshttp://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=2560888

Monday, October 24, 2005

Grupos de discussão sobre moscas volantes

Em português:
Yahoo
http://br.groups.yahoo.com/group/floatersmoscasvolantes/

Orkut
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=2560888


em inglês:

Yahoo:
http://health.groups.yahoo.com/group/vitreousfloaters/

Ezboards
http://p198.ezboard.com/bfloatertalk

Saturday, October 01, 2005

Simulador de moscas volantes (online)

Simulador de moscas volantes online, que pode ajudar às pessoas de vítreo normal a entender o problema. O tamanhao das ''moscas '' ( opacidades vítreas ) sua posição, número e transparência são ajustáveis.

Em : http://visionsimulations.com/FloatersSim.htm

Sunday, September 11, 2005

''Cirurgia a laser não leva a visão perfeita ''

Texto extraído do Jornal Folha de S.Paulo, publicado em 31/08/2003 - 05h16
página acessada em 11/09/2005 em
http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u2751.shtml

Cirurgia a laser não leva a "visão perfeita" VANESSA ALVES BAPTISTA da Folha de S.Paulo


Talvez ainda seja raro no Brasil ir a um shopping fazer uma cirurgia a laser para corrigir problemas visuais, como já ocorre nos EUA. Mesmo sem essa popularidade, a operação tem se tornado uma escolha comum no país e é considerada pelos médicos um procedimento eficaz. Mas é uma expectativa exagerada em relação ao resultado que costuma decepcionar os pacientes -e pode até ser um obstáculo à realização da cirurgia.Além disso, algumas pessoas não são boas candidatas à operação e devem evitá-la. Problemas na córnea, catarata ou alto grau de ametropia (problema visual) desqualificam os interessados nas cirurgias Lasik e PRK, as mais feitas no Brasil e nos EUA, país que operou por volta de 1,8 milhão de pessoas em 2002. Aqui estima-se que tenham sido cerca de 200 mil."Em 80% dos casos de pacientes infelizes [com os resultados da operação], não há nada de errado com a cirurgia, mas havia de errado com as expectativas", afirma Wallace Chamon, 39, professor livre-docente da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).Numa cirurgia com preocupação sobretudo estética, nem sempre o resultado é "perfeito". "Pode haver complicações inerentes a qualquer cirurgia, como não "zerar o grau" e dificuldade com a visão noturna", diz Myung Kyu Kim, 46, professor-assistente da Faculdade de Medicina do ABC.Para Paulo Schor, 38, presidente da Sociedade Brasileira de Laser e Cirurgia Refrativa, existem dois extremos de expectativa que são preocupantes: "O medo paralisante, quando o paciente pensa "Não vou fazer a cirurgia porque vou ficar cego", ou, ainda pior, quando pensa "Vou fazer porque é igual a trocar de roupa'".Quando fez a cirurgia (Lasik) para corrigir seus dez graus de miopia em 2001, a publicitária Marina Yoshida, 36, não se encaixava em nenhuma dessas descrições, mas desconhecia os riscos. "Vim a saber depois que a operação não é indicada para miopia alta [leia texto nesta página]."Ela teve problemas de cicatrização, ficou com a visão embaçada por cinco meses e teve de fazer uma nova cirurgia. "Fiquei deprimida e cheguei a pensar que não poderia mais trabalhar." Hoje a publicitária ainda usa óculos para os cerca de dois graus de miopia que restaram após a cirurgia.Hipocorreção (quando sobra grau) e hipercorreção (correção acima do ideal) são duas das complicações mais comuns. O paciente ainda tem, nesses casos, de usar óculos ou lentes e pode fazer nova cirurgia -chamada de retoque."O ideal é esperar ao menos seis meses para fazer o retoque; e o grau deve ficar estável nesse período", diz o médico orientador do setor de cirurgia refrativa da Unifesp, Carlos Filipe Chicani, 35.Com cinco graus de miopia e um de astigmatismo, o jornalista Luiz Alberto Pandini, 34, diferentemente de Marina Yoshida, não teve nenhum tipo de complicação pós-operatória. Antes de finalmente decidir-se pela cirurgia, entretanto, ele tirou todas as dúvidas dele com o médico. "A minha visão atual é boa, mesmo sem óculos e lentes de contato."
----------------------------------------------------------------------------------------------------

Meu comentário é o seguinte :

Diria ser totalmente tendenciosa esta nota divulgada em Jornal de grande circulação. Vai ao lugar comum de tentar mascarar os problemas da cirurgia refrativa colocando a culpa no paciente, como se os problemas da cirurgia se limitassem à simples hipo ou hipercorreções e a pacientes de graus extremos e/ou com outros males concomitantes. ‘’Em 80% dos casos de pacientes infelizes [com os resultados da operação], não há nada de errado com a cirurgia’’, ou seja... a cirurgia se propõe a corrigir as aberrações de alta ordem ( miopia, hipermetropia...) deixando aberrações de alta ordem ( glare, diplopia, perda do contraste...)e alterações no vítreo que trazem grandes perdas na qualidade de visão ,devendo estas ser toleradas pelos ‘’ pacientes exigentes ‘’. Infelizmente tudo na medicina é permeado pelo dinheiro... e para a cirurgia refrativa, uma cirurgia estética e que têm trazido enormes dividendos para a indústrias de equipamentos , laboratórios e médicos ,não poderia ser diferente. A cirurgia refrativa por ter se tornado uma verdadeira máquina de fazer dinheiro,passou a ser tratada de maneira simplista onde os médicos não orientam adequadamente os pacientes em relação aos reais riscos e efeitos colaterais.A divulgação deste tipo de texto num jornal de grande circulação nacional atende à necessidades puramente mercadológicas.

Saturday, August 13, 2005

Fatores associados à formação/piora de Moscas Volantes/Sineresis:

Miopia, idade acima de 50 anos, radicais livres, LASIK, radiação luminosa, exposição
a laser dermatológicos, suplementação com ácido ascórbico acima de 500mg/dia, cosumo excessivo de Riboflavina ( vitamina B2 ), íons metálicos ( Fe e Cu ), consumo excessivo de Fósforo e Vanádio.


referências bibliográficas :

Luna JD, Artal MN ( 2001 ) Vitreoretinal alterations following laser
in situ keratomileusis: clinical and experimental studies. Graefe’s Arch Clin Exp Ophthalmol 239:416–423

Leonoor I. Los,1 Roelofje J. vanJohanna M. M. Hooymans1 ( 2003 ) Age-Related LiquefactionLM and TEM Evaluationand Collagen.Investigative Ophthalmology & Visual Science, July 2003, Vol. 44, No. 7


Alam M, Chaudhry NA, Goldberg LH. Dermatol Surg. (2002 ) Vitreous floaters following use of dermatologic lasers.Dermatol. Surg. 2002 Nov;28(11):1088-91


Akiba J, Ueno N, Chakrabarti B. (1994 ) Mechanisms of photo-induced vitreous liquefaction.Curr Eye Res.

Frati E, Khatib AM, Front P, Panasyuk A, Aprile F, Mitrovic DR. (1997 ).Degradation of hyaluronic acid by photosensitized riboflavin in vitro.Modulation of the effect by transition metals, radical quenchers, and metal
chelators.Free Radic Biol Med.

Lane B. C. (1990 ) Dietary risk factors for fibrillar and non-fibrillar vitreous degeneration
in myopia. ( Apresentado no simpósio internacional sobre miopia em Moscou )